“Silence” at the Connaught.

There’s this “pool” in front of the hotel which is actually an art installation called “Silence” (by Tadao Ando). Two trees sit in a raised granite-edged pool while atomisers hidden at the base of the trees create clouds of water vapour for fifteen seconds every fifteen minutes. The glass lenses below the surface of the water contain fibre optics that illuminate the basin by night.

The feature was jointly commissioned by Grosvenor and the Connaught hotel. The street improvements are based on the understanding that the space between buildings is as important as the buildings themselves. Ever-increasing traffic volume, and a mass of unnecessary signage and other ‘clutter’, have diminished the quality of London’s streets. The works aim to enhance the experience for all those who live, work and visit, particularly pedestrians.

Things I’ve been eating.

Uma das minhas revistas preferidas posta no twitter uma “promoção” de 3 exemplares antigos por 10 e eu já fico no aguardo de que eles anunciem falência. Uma pena. Um revista tão bonita, de fotos analógicas e short stories. Mas isso não vende. O que vende: look do dia e guia de produtos de maquiagem. A alma a gente alimenta de likes no facebook.

image

Iogurte grego + mirtillos + framboesas + café preto.

image

Pão integral + queijo cottage + geléia de framboesa sem adição de açúcar + café preto.

image

image

image

Bolinho low carb: farinha de amêndoas, côco ralado e farelo de trigo fino ao invés de farinha.

image

image

Chá com bolo em Blackmore.

image

Victoria sponge maravilhosa + sanduíche (salmão + pepino + cream cheese).

image

Fartura (Café do museu Kenwood House, em Hampstead)

image

Bundinhas. ♥

image

Comprei o bolo no café, sentei na antiga cozinha da casa (Kenwood foi uma manor house e existe desde 1700), cercada de fogões e fornos gigantescos e me perguntei quantos jantares para a nobreza foram preparados ali ao longo dos séculos.

image

photo cow1.jpg

Simetria. ♥

image

photo teatea.jpg

Chá + torta Bakewell no Geffrye Museum.

image

Chicken Katsu (curry japonês + frango empanado) na Japanese Canteen de Bethnal Green.

image

image

Regado a cerveja Asahi. Because I’m worth it. :)

image

Muffin de framboesas + chá no Benugo do Victoria & Albert Museum of Childhood. ♥

image

image

Trouxe de Tóquio esse chiclete sabor OVO. Não é ruim e na verdade tem gosto é de pudim, rs – só que perde o sabor rápido e por fim enjoa. Mas assim como muitos doces japoneses, a fofura da embalagem vale a compra.

image

Entrada no Wagamama: lulas fritas com chilli sauce. Eu quero comer isso pra sempre. ♥

image

Mais chicken katsu. :)

image

Sorry!

image

image

photo bb09.jpg

Hora do recreio em casa: café preto (viciada de novo) + biscoitinhos saudáveis.

image

Foto não bonita, mas Mun-rá abençoe esse red chicken curry tailandês. ♥

Afternoon tea @ Blackmore Café.

image

The art of pouring/straining/milking your tea:

image

image

Primeiro andar: sanduíches de salmão, atum e ovos mexidos; segundo andar, scones e cupcakes.

image

Creme batido e geléia para os scones. Você é uma pessoa “creme primeiro” ou “geléia primeiro”?

image

Você quer lamber a tela? Compreensível. Eu também. :)

image

Desculpa.

image

E esse foi o cupcake que me coube nesse latte-fúndio (desculpa II).

image

Preferia que fosse uma fatia de bolo. Não sou uma “pessoa cupcake”, o bolinho é quase sempre meio decepcionante e a cobertura doce/enjoativa demais. Há exceções, claro.

Por fim ganhei um pinto da páscoa de tricô:

Com um buraco nas costas onde se inseria um Cadbury Creme Egg. Que parece um ovo mesmo, com clara e gema amarelinha. E que eu não comi porque detesto Creme Eggs. Mas o pinto é um amor.

image

Perguntaram no Ask o que raios tem o pinto a ver com a Páscoa, já que o símbolo afinal é o coelho.

Colando a resposta aqui: os dois são. O coelho representando a fecundidade (ninhadas grandes e frequentes), o ovo representando a vida (e o pinto/galinha por associação temática). Tem a OVELHA também (representando o cordeiro de Deus), e algumas flores específicas da época, como tulipa e narciso – mas né, não vamos complicar mais ainda a vida.

Por algum motivo que ignoro o Brasil resolveu remover o pinto do samba.
E aí temos aquela incongruência do OVO sendo trazido por um COELHO. E os panguás se perguntando, “uééééé mas por que ovo se coelho não bota ovo?” (favor ler com voz de panguá).

Não, Pedro Bó. O coelho só faz o delivery. Ele é o motoboy do enredo da páscoa. A galinha põe os ovos e o coelho fica encarregado do frete.

Outra associação que se faz nessa época é entre as borboletas e a vida de Jesus. A fase de lagarta: a vida do cara aqui na terra. A fase de casulo = crucificação e enterro. Borboleta: Jesus ressuscita em um novo corpo e ascende aos céus. Bonito, não? Não sou religiosa, mas curto uma boa historinha. :)