Some cats grow by the laws of the wild.

Eis que meu cafofo está um caos.
Até ontem a mesa de jantar estava coberta de ferramentas, incluindo uma serra circular com uma lâmina do tamanho da minha cabeça. Mas agora é oficial: esta casa que vos fala não tem mais carpete! *salva de palmas* Isso mesmo, depois de quase dez anos (!) vivendo com o espécime mofado que veio com esse imóvel finalmente vencemos a inércia e deixamos no lixão municipal aquilo que só servia pra acumular poeira, ácaros e alimentar traças.

Infelizmente como essa casa é nova (foi construída nos anos 90, eu acho) o que eu achei embaixo do carpete não era o belíssimo piso de madeira maciça que se costuma encontrar nas residências mais antigas, e sim um compensado verde horrorendo. Compramos um piso de madeira moderno (não tão bonito quanto os vintage, mas pelo menos é novo) e instalamos nós mesmos; o trabalho levou dois fins de semana pra ser concluído e ENCHEU a casa de pó de serra num nível que eu não vou conseguir explicar sem espirrar ou chorar; mas a sensação de andar num piso LIMPO não tem preço. Dei adeus à minha estimada mancha de vômito da Chantilly (lembranças de quando trocamos a ração dela por uma vermelha sem nos dar conta de que o output também seria da mesma cor, rs) e desde então não vi mais UMA traça voando pela casa. Obrigada Mun-rá pela graça alcançada.

(Ok, ainda tem carpete na biblioteca, mas ele está em “bom” estado e não é um cômodo que usamos com frequência então por enquanto vou deixar como está.)

Algo que aliviou um pouco essa situação desagradável de bagunça foi ter aberto umas gavetas disposta a jogar metade do conteúdo fora e deixar Marie Kondo orgulhosa. Enchi uns três sacos pretos de coisas que estava guardando para alguma eventualidade, mas se em vários anos essas eventualidades não deram as caras eu decidi que era hora de dizer tchau. Pelas semanas seguintes fiquei bastante feliz com o desapego – até precisar de uma das coisas que tinha jogado fora. Isn’t that ironic, Alanis Morrissette?

Também comecei a assistir Hilda Furacão no Globoplay – sim, descobri que agora funciona aqui e desde então sou uma pessoa mais feliz e menos presente em redes sociais pois nada melhor que uma bacia de pipoca e cinco capítulos seguidos de novelas que eu assisti pela primeira vez quando ainda nem sabia ler o nome do elenco na chamada. Joy, joy, joy. Na época em que Hilda foi exibida eu até tive interesse, mas a vida estava um turbilhão de acontecimentos e sentimentos e durante esse horário eu ou estava dormindo ou passando a noite em claro. Agora temos pipoca e uma variedade de superfícies confortáveis onde me acomodar para assistir. Até porque agora eu realmente preciso do conforto, caso não queira ganhar um torcicolo. A velhice é uma maravilha. Eu lembro da Ana Paula Arósio quando ela era uma pirralha de treze anos na capa da Capricho.

O jardim está se preparando pra hibernar. Eu já disse que tivemos um verão terrível? Porque tivemos um verão terrível. Pela primeira vez vi os termômetros do reino marcando 40 graus, e com esse clima seco isso não foi nada agradável. A maioria das minhas plantas ainda está em processo de recuperação – exceto os gerânios, claro, que tiveram o seu Hot Girl Summer e estão belíssimos. Dizem que as rosas também gostam de calor e secura; então as minhas devem ser um bando de frouxas impostoras pois produziram meia dúzia de rosinhas mixurucas e NENHUMA repetiu a floração. Decepcionadíssima. Mas as suculentas brilharam em 2022 – e as fúcsias que eu lembrei de colocar na sombra também.

Esse livro foi a melhor coisa que eu li em setembro. Ok, foi a única coisa que eu li em setembro, mas foi uma baita trip nostálgica para um tempo que eu sequer vivi mas que teve a trilha sonora da minha adolescência. Comprei há muitos anos numa promoção de livraria, e só porque meu amigo comprou também e eu invejei. Sofri pra trazer pra casa pois pesa umas quinze toneladas e nem é capa dura – o que eu achei um pecado. Passou a década juntando pó em alguma prateleira, até que esbarrei nele quando fui organizar e resolvi dar uma folheada pra ver as figuras. Meu dedo abriu justamente a página com uma entrevista do Johnny Marr falando sobre a época em que formou a banda, a cena de rock em Manchester nos anos 70/80, os pais viciados em música, a primeira visita à casa do Morrissey onde ele ficou encantado com a “pequena, porém absolutamente impecável” coleção de álbuns que o rapaz lhe mostrou. Foi mais ou menos com sentar num boteco e ouvir essas histórias dele. E aí não parei até a última página.

(Ah! E se eu quisesse apenas “ver figuras” estaria igualmente bem servida; me dei conta que o livro foi escrito pelo Kevin Cummins, simplesmente o fotógrafo da New Musical Express responsável pelas fotos mais icônicas do Joy Division – uma das minhas bandas preferidas.)

E o que mais… Outubro, né? This is my happy place/month/season.
O primeiro dia do mês amanheceu nublado e me encontrou de pulôver cheirando a amaciante, Aztec Camera no player, sentada no Starbucks com um toffee apple muffin e o primeiro pumpkin spiced latte da estação – e também o último, já que não é meu preferido e eu só compro pelo ritual. O rapaz que veio me entregar o muffin sorriu e disse “you look happy today”.

Happy? Your girl was GLOWING, friends.
O outono chegou. Seja bem vindo.

(O que, dois posts em dois dias? She must be happy indeed.)

4 thoughts on “Some cats grow by the laws of the wild.

  1. No antigo apartamento dos meus pais (anos 80) também tinha um carpete bege em toda a área íntima (e madeira maciça na área social). Eu lembro de encardir todas as minhas meias, brincar com meu irmão de se arrastar dentro de uma manta (mas queimava a bunda) e do incidente que manchou o meu quarto com nanking. Minha mãe trocou por vinílico (bege), que resistiu 20 anos.
    Atualmente estranho um pouco quando aparece algum vídeo ou foto de um quarto ou sala de estar com carpete.
    Lolla, sua decoração outonal é muito gostosa de ver. Curiosa com o tricô em andamento :)
    Bom outono!

    1. carpete bege é ruim demais, além de datado. o da minha casa nos anos 80 era cinza escuro e tão áspero que se alguém caísse dentro de casa ralava o joelho. ainda bem que a moda de carpete no BANHEIRO caiu em desuso aqui, porque socorro.

      (o tricô é um chapéu pra blythe que deu errado e virou um cachecol)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s