Suburbia Tales

I only wanted something else to do but hang around.

No subúrbio a temperatura é sempre uns graus mais fresca do que no centro da cidade. E quando neva, é mais provável que a neve acumule aqui.

No subúrbio um jardim com esquilos, ouriços e passarinhos custa o mesmo que um conjugadinho mofado com vista pra rodoviária no centro. Só que você está mais longe e vai pagar mais pelo transporte (a diferença no aluguel ajuda a financiar muitas passagens do metrô, no entanto). Infelizmente sair à noite para beber fica complicado se você mora fora do alcance dos night buses. Esqueça táxis, a menos que queira deixar um rim no porta malas. Mas o metrô noturno aos fins de semana já é realidade nas linhas principais.

Os engarrafamentos são menos frequentes porque só as linhas locais de ônibus circulam pela área. Ônibus em Londres são lentos e atravancam o trânsito nas zonas centrais; no subúrbio há menos veículos circulando de modo geral.

Mais verde. Ruas arborizadas, jardins floridos e bem cuidados; os ingleses são os jardineiros talentosos e dedicados.

Menos barulho. Estou perto do centro do bairro e faço tudo a pé (banco, correio, supermercado, lojas, cafés), mas a vizinhança imediata é 100% residencial – ou seja, ausência de bêbados gritando na rua às três da manhã ou sirenes de polícia/ambulância embaixo da janela do quarto. A única coisa que ouço aqui às três da manhã: o ronco do respectivo e o carrinho elétrico que entrega o leite.

É menos violento. A realidade é essa, a gente poderia comprar mil brigas e se perder tentando explicar as razões, mas vamos ficar apenas com os fatos.

Não tem turistas. Visitem sim, sempre, turistas são necessários e apreciados; mas o grupo de espanhóis berrando dentro do Burger King, as crianças francesas gritando para os patos em St. James’ Park e as cinco senhorinhas de Inverness de mãos dadas ocupando a calçada inteira e andando a cinco metros por hora não são sempre a melhor coisa do mundo. Especialmente quando você tem pressa, dor de cabeça ou gosta de patos.

É menos populoso. As calçadas em que você mal consegue andar, o restaurante que não aceita reservas e tem fila de 1h pra entrar, a loja onde você precisa empurrar pra chegar na arara de promoção, o evento onde você entra depois de ficar 1h na fila e lá dentro encontra doze mil “mini-filas” diferentes (pra comprar comida, pra ver um stand, pra ir ao banheiro, pra jogar o pratinho de papel da comida no lixo, etc)? Não tem.

Ok, também não tem restaurante hype, treze eventos por semana e a H&M tem um estoque meia-bomba se comparado aos shoppings/Oxford Street. Mas dá pra respirar. Dá pra sair de casa e caminhar por calçadas largas e vazias, comprar o seu lanchinho no Tesco Express, sentar no parque pra comer stalkeando o instagram ou caçando Pokemons, dar as sobras pros esquilos e ir até a Primark comprar calcinhas de 1.50 numa banca que não foi revirada por mãos de pelo menos três continentes.

O subúrbio é o lugar onde o britânico médio vem ter filhos, garagens e labradores, plantar cerejeiras, construir conservatórios, se tornar conservador e realizar o sonho da casa própria – ou pelo menos do conjugado que ele não precisa dividir com estranhos a fim de conseguir pagar o aluguel. Anos depois, vazio o ninho, o interior e as pequenas cidades litorâneas são os lugares onde ele vai sentar numa cadeira reclinável, deixar os mementos de uma vida inteira para trás em prateleiras de brechós e morrer.

Está cedo pra sair. Porque quando eu me canso da tranquilidade provinciana do subúrbio e preciso recarregar as baterias com a energia da metrópole, bem, ela está logo ali. Win-win. ♥

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s