Overwhelmed

Furacão do scrapbooking passou por aqui.

Comecei o Project Life e já desanimando porque aparentemente não tenho uma vida interessante o bastante para seguir o projeto de forma convencional (aka. foto de criança). Eu vou fotografar o quê? Minha gata? Minhas suculentas? Meu marido sentado no sofá? Meus interesses não são fotografáveis. E será mesmo que eu tô a fim de me enfiar dentro de oito casacos e ir “passear no parque” só para ter fotos para colocar no papel sendo que eu queria mesmo estar em casa comendo salame e lendo os jornais de meia e pijama?

Minha idéia inicial era colar mementos, efêmera, bilhetes, ingressos, essas coisas. Mas noto que quase ninguém faz isso, e que pra fazer isso com decência é preciso ter talento senão fica aquele turbilhão favelístico de cores na página e eu já me apaixonei pelos layouts minimalistas.

Fiquei aqui olhando pro meu montão de recortes e me perguntando se devo recapitular e voltar pra agenda. Ou talvez fazer ambos. Mas nesse caso, vou ter mesmo tempo de viver? Já passo menos tempo online do que passava há dois anos, é certo. A internet já não me atrai tanto, as redes sociais que tanto capturaram minha atenção só me deprimem, eu não sinto que estou perdendo muito por não estar conectada. Infelizmente a internet é ainda a fonte número um de inspiração para os meus projetos FORA dela. Ou seja, acessar ainda é preciso.

E hoje notícia ruim logo na hora do almoço (que eu nem tive).
2014 Resolutions amended: deixar de ser “frugal” (eufemismo pra mão de vaca) e gastar mais dinheiro. Viajar. E dane-se.