All we need is just a little patience.

 photo 01.jpg

A vida anda complicada. Problemas chatos de família. Problemas chatos de saúde. Problemas. Chatos, muito chatos. Chatice inevitável, daquelas que você precisa aceitar e empurrar com a barriga – porque tentar pular por cima, feito corrida de obstáculo, só vai causar um tropeção. Muita calma nesse momento. Saber esperar, e admito: não sou boa nisso.

A montanha de caixas de papelão que nos rodeava diminuiu bastante, graças ao meu esforço. Esvaziei DEZOITO delas, das grandes, numa só noite. E isso foi apenas UM cômodo – a cozinha. Esvaziar caixas de mudança é um exercício curioso de expectativa e frustração. Descobri que o item que você MAIS quer desempacotar será *sempre* o último item no fundo da última caixa. Antes dele, você vai desembrulhar trezentas coisas que farão com que se pergunte, “mas POR QUE afinal eu trouxe isso???” Enfim. Agora o oceano de caixas se transformou em várias pocinhas de tamanhos variados; a maioria delas concentrada no closet e no quarto em cima da garagem. Mas ainda ocupa espaço. E eu gostaria de já ter resolvido isso. Mas no momento o exercício da vez é o da paciência.

O conservatório estava uma cópia carbono do inferno de Dante até semana passada. Consegui organizar a área, que estou usando para secar roupas num pequeno varal portátil (a secadora da casa não funciona; preciso instalar a minha, mas só depois que a cozinha nova estiver no lugar) e também para pintar móveis. Ainda está em fase de transição, mas já demonstra potencial para se transformar num cantinho de relaxamento e contemplação. Tudo o que eu precisava para ONTEM. Mas por ora temos o potencial, e já é alguma coisa.

 photo IMG_5532.jpg

 photo 02.jpg

Esse baú de madeira pertencia ao pai do Respectivo; era onde ele guardava os seus pertences pessoais no internato. As cadeiras de rattan foram compradas numa fábrica na subida para a serra de Petrópolis, comecinho de 2005. Gosto muito delas embora não combinem mais tanto assim com o meu estilo. Às vezes a gente precisa ligar menos para coisas como “estilo” e mais para coisas como conforto, familiaridade e contentamento. Deve ser a velhice chegando, e concluir isso no mesmo dia em que uma vendedora de loja perguntou se meu pai era meu IRMÃO (ele tem 80 anos) é, de fato, alguma coisa. :)

 photo 03.jpg

Essa é a metade do sofá que ficava na nossa sala em Jersey. A outra metade está na sala aqui. Por enquanto essa metade vai ficar aqui no conservatório. No fim da tarde a luz do sol bate ali, e se não faz muito calor é gostoso curtir o solzinho. Se faz calor o conservatório vira uma sauna e é preciso abrir as janelas. As paredes, de tijolinho como o exterior da casa, foram pintadas de cinza claro pelo meu pai.

Esse banquinho de alumínio foi uma compra impulsiva na Home Sense. Não sei se me arrependi, mas ainda acho bonitinho.

 photo 05.jpg

 photo 06.jpg

Estamos com um pequeno problema de excesso de móveis para jardim. Herdei alguns do antigo dono desta casa, trouxe os de Jersey (inclusive os que também herdamos com aquela casa) e comprei mais um. Ou seja.

 photo 07.jpg

Já comprei algumas plantinhas, no entanto. Tem um mercado de rua três vezes por semana aqui pertinho que é o paraíso das flores a preços amigáveis. E dos CDs de música estilo “trilha sonora de Anos Dourados”. E de trailers vendendo bife, queijo, frutos do mar, sapatos, roupas usadas e “antiguidades” (tralhas). Meu tipo de mercado de rua. E um dos mais antigos, também – existe no mesmo lugar há cerca de 800 anos.

 photo 08.jpg

 photo 09.jpg

Essas cadeiras verdes nós herdamos com a casa (tem uma mesa, também). Falta um pedaço de madeira nessa aqui. Planejo fazer um makeover em breve.

 photo 010.jpg

Makeover que, em parte, já aconteceu. Porque elas eram assim:

 photo 011.jpg

A primavera já faz as malas para partir; o verão desponta no setor de desembarque. As folhas já mudaram de cor, de verde claríssimo para um verde mais “folhoso” (dã), denso como as copas das árvores que há poucas semanas estavam ainda quase nuas. Custou a vir, esse verão. Ainda claudicante (choveu semana passada e o céu emburrou por vários dias), mas as malas já estão na esteira. Carimba logo esse passaporte.

 photo 012.jpg

 photo 013.jpg

O dragão veio da Home Sense. A gárgula foi sobra da festa de Halloween que eu planejei mas não fiz ano passado. Hoje eles protegem no jardim. Isto é, apenas quando o dragão não está dormindo e a gárgula não overdosou em Prozac.

 photo 014.jpg

Por falar em Prozac, adivinha quem está MUITO feliz com o calorzinho? Dica: não são (apenas) os gerânios.

 photo 015.jpg

E nem apenas a gata. ;)

Vem logo, verão. Estamos precisando e muito de luz.
Mas sem correr. Esperar por algo bom e garantido é quase tão gostoso quanto esse sol da manhã.

Paciência. ;)

 photo 016.jpg

Said, woman, take it slow
It’ll work itself out fine
All we need is just a little patience
Said, sugar, make it slow
And we come together fine
All we need is just a little patience
[x]

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s