Aleatoriamente.

Na escola, eu:

Não era nerd, nem popular, não tinha os amigos certos (e nem os errados).
Sentava no fundão, não pra fazer bagunça, mas para ficar longe dos professores e das patricinhas puxa saco que sentavam perto deles.
(e deu certo, eles não percebiam a minha existência)
Sempre quis levar meus cachorros pra aula; achava que a experiência seria muito mais agradável.
Nem sempre saía da sala na hora do recreio.
Comprava salgado + refrigerante. Quase sempre “joelho” ou enroladinho de salsicha.
Gostava de dormir na debruçada na mesa. E às vezes babava.
Notei que as pessoas escreviam letras da Legião Urbana à lápis na mesa.
Adorava as aulas de biologia, inglês, história e literatura.
Detestava todas as aulas de exatas, exceto por um ano em que o professor de Química era bacana.
Ficava me achando porque meu namorado encapava meus livros com xerox de mapas antigos.
Pedi para uma menina que copiava letras de música para os outros para copiar Timidez do Biquini Cavadão pra mim a fim de puxar conversa. A amizade durou anos.
Era boa de decoreba dinâmica. Memorizava tudo, largava na prova, esquecia tudo em seguida.
Tirava boas notas. Quer dizer, aceitáveis. Menos em exatas.
Usava saia de tergal azul marinho plissada + a camiseta de malha da escola. Tinha alguns furos nela.
Não curtia usar sutiã pra fazer educação física. Não curtia fazer educação física.
Percebi que todas as minhas professoras de educação física eram lésbicas.
Achava besta pular corda. Preferia pular elástico, era mais intelectualmente desafiador.
Ia andando pra escola sozinha, e aproveitava o trajeto para pensar. Isso quando a mãe não dava carona no Fusca.
Não tinha a menor vergonha de ganhar carona da mãe. Ganhava de longe de ter que voltar pra casa na chuva.
Muitos dos meus melhores amigos até hoje foram feitos na escola.

 photo f1.jpg
 photo f1.jpg
 photo fleur2.jpg
 photo f1.jpg
 photo f4.jpg

Tá ficando bonita a primavera, que finalmente decidiu dar as caras. Mas hoje o tempo nublou, como se para avisar que a) quem dá as cartas aqui é a Natureza, não o serviço de previsões metereológicas e b) ingleses têm o seu caráter formado nas adversidades; muito sol, calor e tulipas coloridas não condizem com a realidade de um povo que encara verão e calor como breve novidade seguida de inconveniência, que nunca sabe exatamente o que vestir quando a temperatura passa dos 30 graus e que nunca se deixa acostumar muito às coisas boas – porque foram criados por gente que ainda se lembra de que elas podem ser temporárias.

E hoje, combinando com a chuva, temos médico. Joinha.

 photo f5.jpg
 photo f6.jpg
 photo f7.jpg
 photo f8.jpg
 photo f9.jpg
 photo fleur4.jpg
 photo f10.jpg
 photo f11.jpg
 photo f12.jpg

Meu pai chegou no domingo. Sem falar português no aeroporto, foi “detido” até que descobrissem a que tinha vindo. Puseram uma pessoa que falava espanhol para conversar com ele. Me custa crer que numa cidade cheia de brasileiros seja impossível contratar um para traduzir em Heathrow. Ou talvez seja justamente isso que eles não querem; um conterrâneo para “facilitar” as coisas.

Enfim. Ele já está instalado. E querendo ser útil, me pedindo coisas com frequência a fim de ajudar, infelizmente num momento da minha vida em que eu só queria tomar um calmante e dormir o dia todo. Mas vamos levando, e é bom saber que ele gostou da casa, do lugar e parece estar se divertindo. Meu pai sempre diz que a saúde dele melhora assim que ele pisa aqui.

 photo f13.jpg
 photo DUD5.jpg
 photo f14.jpg
 photo f15.jpg
 photo IMG_5476.jpg
 photo f16.jpg
 photo f17.jpg

(Fotos feitas em Regents Park e na vizinhança)

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s