Reading Festival 2012

Lucy Rose

Conheci através desse vídeo no YouTube. Gostei da voz e do estilo folk da moça (que fez parte do Bombay Bicycle Club), uma espécie de Joni Mitchell moderninha; e o show me apresentou uma infinidade de músicas novas. O álbum de estréia sai em breve, e depois de assistir a esse show eu recomendo.

image
image
image

Niki and the Dove

Eu nem ia assistir, mas a descrição do som da banda no programa do festival me pegou pelo pé: electro pop gótico sueco. Corri pro palco Festival Republic e peguei o show no comecinho. A Niki se veste como a Madonna no início da carreira, tem a voz da Sia e o som é uma mistura de Cindy Lauper com Kate Bush. É claro que eu amei.

image
image
image
image
image
image

Paramore

Poucas fotos e de longe porque eu ainda estava tentando me inserir na massa do palco principal depois do show da Niki. Hayley estava vestindo uma camiseta do The Cure e disse que “sabia que todo mundo estava ali só esperando Bob Smith”. Bonitinha. Não precisava do mimimi, viu? Mas valeu por encerrar o show com Misery Business. :)

image
image

Cure

Eu não fiz muitas fotos por motivos de: dane-se, prefiro curtir. E também porque estava tentando chegar mais perto do palco; no fim, ficamos a uns 30 metros de distância. Rolou stress com um drogadinho querendo me empurrar (baixou a barraqueira e eu o ameacei com um spray de pimenta que eu nem mesmo tinha na bolsa, mas funcionou) e com um idiota gritando “TOCA MINT CAR!” do meu lado. Respectivo, que comprou até banquinho dobrável pra sentar (ele tem dor crônica nas costas) acabou nem sentando e, no fim do show, mal conseguia se mexer. E, bem, era o dia do ANIVERSÁRIO dele… Acabei com a festa do meu marido, mas OLHA, foi por um motivo nobre: a última vez que o The Cure tocou em Reading for em 1979 (!!) e dessa vez meteram DUAS HORAS E MEIA de show, com um set-list totalmente “pra galera” – tipo coletânea de sucessos.

Bob Smith parecia um globo de espelhos de boate de puteiro em dia de função: redondinho e cintilante, refletindo as luzes no meio do palco. E tentando explicar, de forma awkward, por que ele não conversa com o público: “I can’t explain why I don’t talk, talking between songs breaks the spell in my head – but I’m thinking it all, I promise”. Amor pra vida inteira. ♥

image
image
image
image
image
image

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s