Lovefool.

Outro valentine’s longe do meu valentino; mas tudo bem porque para nenhum dos dois a data faz sentido. Na verdade acho tudo tão cafona e fake que ignorar o dia dos namorados faz qualquer casal subir automaticamente na minha estima e escala de valor humano. Jantares com comida meia boca em restaurantes decorados de balões em forma de coração. Cartões com poesia ruim. Comerciais de TV piegas celebrando o amor… pelo seu dinheiro. Gente que ainda acredita no “real sentido da data”. Ew.

image


Hoje vi um dog preso a uma corrente. O bicho mal conseguia alcançar a tigela de alumínio no fundo da qual jazia meio gole de água quente. Vontade de localizar o responsável pelo martírio do bichinho e decapitá-lo.

A mulher vem aqui em casa conversar com minha mãe e pede a ela que leve a tevê pequena para o quarto. A tevê não pode ser usada porque o controle remoto foi levado pelos gnomos. A mãe adentra a sala perguntando se eu, que jamais ligo aquela tevê, sei onde ele se encontra. Mas é claro que não sei. A mãe lança um olhar cobiçoso para a tevê grande da sala (onde eu me encontro, não assistindo televisão). Eu sei que ela vai me pedir para sentar na sala com a mulher, e é um pedido bastante razoável, uma vez que a sala é dela. Mas aí a pergunta não cala: “mãe, ela veio conversar com você ou ver tevê?”. Olho para a mãe, mas projeto a voz para o quarto ao lado. Espero que a mulher tenha ouvido. Ser premeditadamente grossa é um dos poucos prazeres da minha vida.

Tive que comprar outra mala. Comprei só quatro peças de roupa neste país e consegui encher outra mala com 24kg – não “pergunte-me como”. 100 reais na Gripon, aquela loja horrível que só vende trapos, frequentada por quem obviamente prefere economizar na vestimenta do que na cerveja. Cada um com as suas prioridades.

A mocinha colando a fita adesiva com o nome da loja em cima da minha sacola e eu gritando por dentro PLEASE DON’T DO THAT. Não quero sair por aí carregando uma sacola amarelo-ovo maior do que eu anunciando aos quatro ventos que eu sou o tipo de pessoa que faz compras na G-R-I-P-O-N. Andei da loja até o ponto de ônibus em frente ao armazém do Prezunic. Passei por dentro do corredor do “shopping” do mercado, antes. E lembrei de mim mesma, bem pequena, quando o supermercado era novo em folha e ainda se chamava Rainha – antes de mudar de nome umas 300 vezes – saracoteando por entre os corredores, enchendo o carrinho de coisas, transportando as bolsas para o porta malas do carro. Bolinho Ana Maria. Sucrilhos. Keep Cooler no natal. Cadernos e canetas na seção de papelaria. Shampoo e creme de cabelo. Ingredientes para fazer bolo. Life was so much easier. Entrei no ônibus Bela Vista-Beira Mar, passei com dificuldade pela roleta (mala na bolsa com fita da Gripon) e fiquei triste pensando que viver jamais voltará a me encantar como na infância.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s