Ouro de tolo.

Olá, nesse preciso momento eu tenho 38 graus de febre (quase 40, ontem), mal estar generalizado, dores nas juntas e o meu nariz é uma torneirinha – esgotei o estoque de lenços de papel da farmácia aqui do lado. Só estou esperando as manchas vermelhas aparecerem para confirmar meu auto diagnóstico de Dengue Hemorrágica e me mandar pro hospital (ou cemitério). Já é a segunda vez que adoeço desde que cheguei ao Brasil. Isso sempre acontece. Acho que já está na hora de eu desistir de vir aqui. Enquanto eu passo a sexta feira tossindo e comendo feijão no calor e assistindo reprise de novela, marido (que pegou o vôo pra Londres ontem) me tortura enviando mensagens no celular, avisando que se encontra no lounge do aeroporto, bebendo sauvignon blanc e comendo bagels com cream cheese e ervas. Thanks.

Eu, mamãe e Respectivo acabamos de voltar de Ouro Preto. Assim como João de Santo Cristo em Brasília, fiquei bestificada com a beleza da cidade, do artesanato e das igrejas. Mas como eu realmente sou uma pessoa de sorte, levamos mais tempo do que deveríamos até chegar lá (graças à falta de sinalização nas cidades; mais sobre esse assunto depois) e cheguei a tempo de ver a luz maravilhosa indo embora por trás das montanhas, mergulhando a fachada das igrejas na escuridão. E no dia seguinte choveu. Muito. Quase o dia todo. Pequenas cachoeiras se formavam nas ladeiras. Escolhi mal os sapatos e a barra da minha calça encharcou e ficou pesando 20 quilos. Também escolhi mal a DATA da visita porque, às segundas feiras, a maioria das igrejas e museus fecha. Palmas para mim, que não fiz o favor de PESQUISAR antes de pôr o pé na estrada, e também para Ouro Preto, que fez o favor de fechar na segunda apesar de ser verão e período de férias – afinal, esse povo quer dinheiro ou não??

image

Sim, a cidade é linda e definitivamente merece uma visita. Mas não sei se merecerá uma segunda. O problema é que a cidade está cheia de de armadilhas para turistas. As ruas são labirínticas e a sinalização é péssima, talvez propositalmente, a fim de forçar o visitante a “contratar um guia”. Guia este que vai cobrar de acordo com a cara do freguês (cobraram a mais da gente porque well, havia um gringo no grupo e, como todos sabem, todo gringo é rico), que vai levar o turista aos passeios mais furados porque estão ganhando comissão para isso, e desperdiçar seu tempo arrastando você para um monte de LOJAS, porque – adivinhe – eles também levam comissão nas suas compras.

Assim que chegamos, fui pedir informações a uma pessoa na rua sobre como chegar a uma pousada (que eu havia encontrado na internet). A tal pessoa, na verdade, se tratava de um “guia” (o lugar parece ter mais guias turísticos do que moradores) e me avisou que a pousada que eu procurava era ruim e ficava muito longe do centro. Me redirecionou a um pequeno hotel ali perto que, segundo ele, era mais barato e melhor localizado (e é evidente que ele nos levou até lá e ganhou comissão por ter nos indicado). Bem localizado era, sim. A poucos metros da praça Tiradentes, a principal, onde a cabeça do dito cujo ficou exposta após sua morte e onde hoje existe uma estátua em sua homenagem. Mas, por isso mesmo, o local era barulhento. E o quarto não tinha ar condicionado. Mas tinha infiltrações no teto. E a parede estava descascando. E o café da manhã era uma pobreza (pouca variedade e até o bolo era ruim; no fim, eu peguei uns três pães de queijo minúsculos e tomei um café ralo). E pelo equivalente em euros que pagamos pelo quarto, eu já fiquei em guest houses na França.

image

Depois, é claro, eu descobri que a pousada que eu realmente procurava ficava sim um pouquinho longe do centro, mas tinha estacionamento próprio (o do nosso hotel ficava a uns quatro quarteirões de distância em ruas de subida), quartos lindos, vista para as montanhas e, além do café da manhã caprichado, também incluía um chá da tarde com bolos caseiros no preço. Que era 10 reais MAIS BARATO que o hotel onde ficamos. E que por tudo isso não precisava de conchavo com “guia” para conseguir clientes. E cadê o “guia”, mesmo? Porque eu quero MATÁ-LO.

Antes de me dar conta disso tudo, eu acabei sendo abordada por outro “guia” que, pela módica quantia de 60 reais (com 50% de desconto porque os museus estavam fechados; normalmente seriam 120), viajaria conosco no carro por algumas horas nos guiando pelas ruas labirínticas e nos levando aos “pontos de interesse”. Mais tarde descobri que esses pontos eram do interesse DELE. Nossa primeira parada foi uma “mina” desativada, que ele jurou ser fantástica. Pelo “privilégio” de entrar num buraco sem graça e mal iluminado, cobraram 15 reais por pessoa e ainda nos fizeram devolver as toucas *descartáveis* que nos deram para cobrir a cabeça embaixo do capacete (espero que ninguém tenha pego piolho). Por causa do Respectivo, arrumaram um guia que “falava inglês”. Um inglês tão bom que Respectivo não entendeu quase nada. E eu entendi menos ainda para poder re-traduzir. Mas isso nem me aborreceu tanto, já que a mina era uma porcaria e não havia NADA para se dizer. 45 reais (3 ingressos) jogados no lixo.

image

Depois que o guia foi embora, pegamos o carro e fomos à mina da Passagem na cidade de Mariana, ali pertinho. ESSA SIM valeu a pena; subterrânea (os visitantes descem num trenzinho), maquinário inglês de época, piscinas naturais e histórias bem mais interessantes para contar:

image

Depois do fiasco da primeira mina, fomos levados a uma igrejinha minúscula, que o guia afirmou ser “a mais antiga de Ouro Preto” (só que, a essa altura, se ele me dissesse “bom dia” eu responderia “DUVIDO!”). A igreja ficava dentro do que parecia ser uma favela. Fui impedida de fazer fotos do interior, sob uma justificativa meio imbecil: “para impedir que possíveis ladrões de imagens saibam o que tem dentro”. Ah, ok. Só que a Igreja não era lá isso tudo. E depois, bastaria pagar os três reais do ingresso, entrar, VER o que tinha dentro e voltar mais tarde com um fuzil (e um saco bem grande pra levar tudo). Sinceramente, perdi até a vontade de entrar em outras igrejas. Pagar e não poder fazer fotos para mostrar e guardar? Aqui a gente entra de graça em Igrejas muito mais bonitas, antigas e importantes e pode fotografar o que quiser. Fala sério, Brasil.

Depois disso fomos empurrados para uma loja de artesanato longe do centro, sob a justificativa de que “os preços no centro são mais caros porque estão mais perto dos hotéis”. Eu já sabia que não ia comprar quase nada mesmo, porque não temos espaço na bagagem para carregar coisas pesadas. Mas os preços da loja onde fomos levados nem eram tão baratos assim. Certas coisas, aliás, eram mais caras lá. Gastei uns 70 reais em coisinhas pequenas para a casa, o guia levou sua comissão (é claro…) e saí dali disposta a me livrar dele o mais rápido possível. Antes disso ele me “recomendou” um restaurante muito bom e pediu que eu dissesse o nome dele quando fosse pagar – para que ele recebesse um almoço gratuito. Nem tive tempo; assim que cheguei na PORTA do tal restaurante pra CHECAR o menu, um OUTRO guia praticamente me puxou pela blusa e me levou até o caixa, dando uma “piscadinha” para indicar que ELE havia nos indicado. Meu saco já estava tão cheio dessa exploração de turistas que sentei em OUTRO restaurante e tomei cachaça. Outro clichê: “restaurante de comida mineira”. Não é só porque estou em Minas que quero passar a viagem inteira comendo tutu.

No dia seguinte o tal “guia” estava na porta do hotel nos esperando. Mandei a recepcionista dizer que eu já tinha saído.

image

Todas as lojas de artesanato traziam avisos nas paredes de que era proibido fazer fotos/filmagens. Me pergunto qual a razão. Fotos só fariam propaganda positiva da cidade e das lojas, trazendo mais turistas e clientes interessados. Acabei cansando disso tudo e voltando pra casa mais cedo. Pena, já que de fato a cidade é linda e merece o título de Patrimônio da Humanidade.

Para quem pensa em visitar: se for de carro sem conhecer a área, use um navegador e não conte com sinalização nas estradas. Pesquise hotel/pousada com antecedência pela internet (a maioria dos sites não informa o valor da diária; então ligue, pergunte e compare preços). Faça uma boa pesquisa prévia na internet sobre os lugares que quer visitar, compre um mapa da cidade e ande a pé. Só coma “comida mineira” se quiser e, se não quiser, procure os botecos servindo pratos feitos baratos e bons, ou o Café Geraes na Rua Direita, que não é caro, tem um ambiente ótimo e uma cozinha sem clichês; e, last but not least, NÃO ACEITE AJUDA DE NENHUM GUIA. Deve ter gente boa, mas pelo que vi a maioria é de predadores interessados em tomar o seu dinheiro e, ao contrário do que vão tentar fazê-lo acreditar, você NÃO precisa deles.

E, claro, não visite a cidade numa segunda feira.

Uma camiseta com Obama cavalgando um unicórnio. Admita: você precisa de uma. :)

Estou apaixonada pelos carimbos personalizados que a Kristel faz de forma artesanal. Assim que voltar para casa vou encomendar alguns.

Para meninas que não abrem mão de ser estilosas, mas que também não abrem mão do chocolate: Young, Fat and Fabulous e Fatshionista – ambos encontrados no I Follow the Sun, um blog fofo sobre paz, diversidade e tolerância (lê só esse about).

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s